A ilha da Princesa Aline

Ontem navegando nesse imenso mar avistei  uma ilha, me pareceu uma ilusão a primeira vista de tão perfeita e bonita, talvez depois de tanto tempo navegando sozinho minha mente tenha buscado no fundo de minha alma aquilo que mais desejava e criado esta ilusão para me confortar, assim poderia prosseguir viagem sem me importar com o cansaço de um navegador solitário , cada vez que a avista-se no horizonte iria em sua direção em busca de todas as alegrias que uma terra bonita pode nos proporcionar.  Mas desconfiei que talvez meus olhos não estivessem me traindo, e de repente o vento rondou e me levou em sua direção, que o vento me leve pensei, o que há de mal em perseguir um sonho, pois estou navegando em busca dele, talvez lá estivesse o pote de ouro, o vento tem sido o meu companheiro e amigo nesta viagem, pois sem ele meu barco não navegaria, a sua força tem me levado a muitos lugares , agora ele muda em sincronia com o meu pensamento  como se estivesse dando um sinal para onde deveria ir. Com o vento a favor cheguei rapidamente a uma bela enseada e  fundeie o barco ali mesmo, desci a praia que a primeira vista me parece deserta, mas de repente vi  uma mulher vindo em minha direção como se fosse me recepcionar, naquele  momento aquela ilha  me pareceu mágica, tudo era belo, a mulher com formas  perfeitas, assim como a ilha, parecia ter vindo dos meus sonhos, o seu modo de andar pela praia pisando com as pontas dos pés na areia dourada me fascinava, poderia ficar horas olhando para aquela cena sem me cansar. Então ela  se aproximou e sentamos na areia a sombra de algumas arvores que delimitava a praia da mata. Passei horas conversando com ela, mas não conseguia ver o seu rosto, pois usava um véu como as mulheres mulçumanas que escondia o que parecia ser um rosto muito belo, mas só poderia ser, pois tudo parecia belo naquele momento, o tempo parou. Contou-me que seu nome era Aline e disse ser a princesa da ilha, não entrou em muitos detalhes de como vivia lá, mas me disse que eu não poderia ir adiante daquela praia, não me importei muito porque o momento era mágico e estava exatamente onde desejava estar naquele instante. Depois de horas a princesa me disse que precisava ir, e que tinha gostado de me conhecer, voltei para  o mar então. Hoje acordei meio confuso, não sei exatamente se aquilo que passei ontem foi um sonho, pois olho no horizonte e não a vejo mais, mas se foi um sonho espero te-lo novamente.